quinta-feira, 18 de novembro de 2010

INFÂNCIA II

ALICE

Vê se me entende, ai menina
Porque pinto de rubro as rosas
Não por ficarem formosas:
Sou por natureza inquieto,
Cá fico eu a olhar pro teto;
Metamorfose é minha sina.

Eu sou meio Tweedle-Dee
Mas também sou Tweedle-Dum.
O pé-no-chão, fico com um
O outro sai voando pelo céu;
Gêmeo de mim mesmo ao léu,
Longe de mim e eu por aqui.

Mais louco que o Chapeleiro
Ou quase isto, talvez
Pois me resta a lucidez
De entender meu triste estado
De ser um redondo quadrado,
Três metades de um inteiro.

Tomando o chá de amanhã
Que foi feito ano passado?
Entender meu alegre estado
Só mesmo um gato risonho
De verdade no meu sonho,
Moribunda-mente sã.

Eu também, ainda moço
Caí dentro deste poço:
Deparei-me com o binômio
Se o mundo é um manicômio
É também meu aparelho
De viajar pelo espelho.

                                                                                                 Stil

2 comentários

Filó disse...

Lindo Stil! Todos os dias passo por aqui para ler seus poemas, beijão!

MONICA LEITA disse...

LI SEU POEMA... LINDO!UM PÉ NO CHÃO E OUTRO NO CÉU!

Postar um comentário