domingo, 3 de julho de 2011

MINHAS BÊNÇÃOS – TOM JOBIM

Considerado como um dos cinco maiores compositores da segunda metade do século XX, tive a oportunidade de cruzar com este gênio graças à intervenção do amigo Roberto Talma. Ele estava dirigindo o especial Antonio Brasileiro (1987) para a Rede Globo e queria uma animação para finalizar o programa. O tempo para produzir era mínimo, como sempre acontece em televisão. Felizmente eu poderia contar com dois fantásticos artistas, o Humberto Avelar e seu primo Erthal, que moravam do outro lado da ponte Rio - Niterói. Fiz o story-board e tive de animar também, num esforço supremo para chegar aos pés da excelência gráfica dos dois. O resultado foi tão satisfatório que o Talma colocou trechos do trabalho para chamar os comerciais. Durante a montagem dos desenhos, tivemos a visita do Tom às ilhas de edição, e ele respondeu à minha pergunta “Gostou?” assim: “Não tenho palavras”. Vindo do meu ídolo, assumo a imodéstia do relato!


Escolher composições saltadas do Tom é como pegar pipoca no balde. Todas são ótimas igualmente. Passarim, por exemplo, parece contar a história da minha vida:


Saudade do Brasil é uma pequena obra-prima erudita da porção Villa-Lobos do Tom. Como George Gershwin, ele transitava facilmente do popular ao clássico. A belíssima canção Canta, Canta Mais poderia figurar entre as Bachianas.



Águas de Março é a composição favorita dos experts, uma jóia do concretismo, um quadro pintado em palavras. Sabemos que a gravação com Elis Regina não foi fácil, pois a pimentinha e o Tom sentiam que estavam mudando os rumos da música popular.


Há quem confira a Chet Baker a autoria do movimento bossa-nova. Mas isto me soa como aqueles programas sensacionalistas de teste de DNA. Interessa é o resultado, o que vem a público. Rapidamente Jobim foi entendido e amado pelos maiores artistas do mundo, como Frank Sinatra. Vamos ouvir a dupla no clássico Garota de Ipanema:


Ou o topo do topo, Judy Garland, interpretando How Insensitive:


Aqui temos a raríssima Morgana King cantando Corcovado com Andy Williams . Desculpe o Português...


Temos o som de Johnny Mathis cantando Dindi. Mas basta:


Esta seleção poderia se estender indefinidamente! Mas escolhemos Maysa para interpretar uma das mais belas canções de amor, Se Todos Fossem Iguais a Você.


E o Rei interpreta uma das favoritas nos casamentos, Eu Sei Que Vou Te Amar:

www.youtube.com/watch?v=gyTfud6Lvss

Tom Jobim teve dezenas de parceiros, como o eterno Vinícius de Morais. Mas o encontro com Chico Buarque foi uma pororoca! Separamos duas composições da dupla, a campeã Sabiá e os nostálgicos Anos Dourados.



A Nação Zumbi lembra a juventude desta alma carioca, com Wave:


Quando a música popular precisa de intimidade, chama por João Gilberto. Aqui temos o gênio sumido cantando Chega de Saudade:


Jobim, Vinícius, Toquinho e Miúcha juntos? Só pode ser para cantar A Felicidade!


Jobim e Danilo Caymmi encerram esta resenha cantando Samba do Avião, em homenagem à cidade que adoramos, apesar dos pesares:

seja o primeiro a comentar!